20/09/09



eu, gaivota
sobrevivente de tempestades
voo planando sobre o teu corpo ilha
e nem os ventos contrários que fustigam as asas
impedem-me o verde

4 comentários:

Anónimo disse...

breve ensaio para um Domingo sem ninho

hfm disse...

Plasmando nas asas verde, mar e todos os voos rasantes. Belíssimo!De facto um breve grande ensaio.

Mar Arável disse...

Por vezes em terra

a desafiar tempestades

Vieira Calado disse...

E tudo isso...

com uma significativa imagem de mar

e a sua omnipresente gaivota...

Cumprimentos daqui.